sábado, 29 de Outubro de 2011

Twitter 101 - Final Cut

Final Cut @ Twitter












Reflexão final sobre a utilização do Twitter, explicitando, obrigatoriamente os seguintes pontos:
- Opinião pessoal 
- Potencial da ferramenta no seu contexto profissional
- Comparação com outras ferramentas similares


Comecei esta etapa (Twitter), apreensivo e relutante pois não via como se poderia dinamizar e/ou introduzir o Twitter numa perspectiva educativa - não lhe conferia uma utilidade pedagógica, disseminadora de conteúdos.

Tinha desta ferramenta uma perspectiva lúdica (nunca de aprendizagem), talvez por isso a tenha ignorado durante tanto tempo.
À primeira vista o Twitter, provoca-nos uma torrente de informação (indecifrável?!?), de difícil "digestão", levando-nos a pensar em (quase) desistir(...) tal é a torrente inicial de posts, no entanto, passado algum tempo, vamos-nos familiarizando com todas essas particularidades, o Twitter permite-nos efectuar pesquisas simples e/ou avançadas sobre determinados assuntos/temas/utilizadores. Tem diversas valências, como por exemplo as hashtags (temas/separadores de interesse), as DM (mensagens directas para utilizadores), RT (respostas a utilizadores). 
No inicio, tudo é um pouco confuso e parece (à primeira vista) complicado, mas à medida que vamos explorando e "brincando", vamos-nos familiarizando com os termos e particularidades da ferramenta (conforme disse noutro post, primeiro estranha-se, depois entranha-se).
Existem também diversas ferramentas que facilitam a "arrumação"/organização de todos os Tweets (que dependendo do número de utilizadores que seguimos e nos seguem, pode tornar os tweets desgarrados e descontextualizados - embora possam sempre ser organizados através das listas e/ou buscas), tal como o TweetDeck e o HootSuite (que também fazem a gestão de feeds de outras redes sociais, p.e. Facebook).

O que mais impressiona no Twitter (na minha perspectiva):


- Conectividade do Twitter com uma miríade de ferramentas/sites/redes sociais (Packrati, Diigo, Klout, LinkedIn, etc) que permitem complementar/enriquecer a sua função nuclear (que pode ser qualquer uma que nós entendamos...);
- Possibilitando uma comunicação tanto síncrona como assincrona de conteúdos/links, etc;
- Efectiva partilha de material
- Permitindo o debate de ideias (p.e. conf.ª Mympel);
- Confrontação teoria vs pratica;
- Grande interacção aluno vs professor, aluno vs aluno e rede de aprendizagem
- A escolha dos temas e interesses recaem (inteiramente) sobre o utilizador

Para mim, existiu um "click", no dia da conferência mympel, onde tive a oportunidade de interagir (via Twitter) com colegas e "interessados" na temática em discussão, houve oportunidade de partilhar interesses, links, material, bem como "discussão" (em tempo real) das apresentações que seguíamos online (e presencialmente). Desta partilha, muito agradável e produtiva resultou num enriquecimento do mympel, e em última análise, mostrou-me uma das mais importantes faces do twitter, a sua interactividade (funcionando como "backchannel" da conferência).
Deste modo, o Twitter afigura-se como uma ferramenta (terrivelmente) versátil, proporcionando-nos experiências muito enriquecedoras do ponto de vista educacional. 


O Twitter é passível de ser aplicado a qualquer situação, devido à sua versatilidade, maleabilidade e flexibilidade permitindo uma comunicação sucinta, eficiente e rápida, podendo fornecer materiais, links e conteúdos em qualquer ambiente (síncrono e/ou assíncrono), fazendo uso, p.e. das listas e buscas.

Dada a sua flexibilidade, maleabilidade e enfoque no conteúdo não me parece que exista alguma rede que proporcione uma comparação justa vs Twitter. 
A que se poderá aproximar mais talvez seja o Facebook (num contexto virado para as pessoas vs conteúdo - Twitter).
O Facebook é, realmente mais virado para o "social", para a imagem vs o imediatismo, o pragmatismo do Twitter.



Sem comentários:

Enviar um comentário